domingo, 16 de dezembro de 2012

16.12.2012
Trágico foi não sentir mais a tua respiração porque todos me apertavam e sufocavam. Tentavam tirar-me dali, tentavam acalmar-me como que se de um dia normal se tratasse, e eu só pensava em não mais parar de te chamar. Não sabia mais nenhum nome a não ser o teu e no entanto isso não te fez acordar porque do outro lado a vida é sempre mais apelativa. E eu implorava por tudo que voltasses a mim e que toda aquela história velha de "ver a luz ao fundo do túnel" não estivesse nesse preciso momento na tua cabeça. 
E quando a tua mão deixou de apertar a minha, o teu coração também deixou de seguir o meu e foi o momento mais inconstante de toda a minha vida. Eu queria acreditar que simplesmente te tinhas esquecido de apertar a minha mão porque o momento estava tão confuso e incompleto. Queria acreditar que estavas cheio de vida nova, que ias acordar e voltar a sentar-te a meu lado depois de um dia de café e cigarros e voltar-me a dizer, "Quando é que aceitas casar comigo?"
Já se ouvia de longe choros corridos e vozes desconhecidas a lamentar o sucedido e eu ainda estava ali, a tentar perceber o porquê de não abrires mais os olhos para mim. E sem querer caiu me uma lágrima, e eu sei o quanto odeias que eu chore, mas foi tudo tão doloroso que até as pedras da calçada fizeram o luto. Já não havia mais razões para continuarem ali a impedir-me de estar a teu lado porque no fundo tu já não estavas ali, somente o teu corpo me acompanhava.
Agora percebo a tua vontade de partir para o outro lado, esta vida é tão monótona e cinzenta que nem sempre dá vontade de continuar. Mesmo assim sinto-me devastada com o teu esquecimento de me levares contigo, eu estava bem aqui, não poderias gritar pelo meu nome? Como eu fiz com o teu quando te vi naquele chão estendido, envolvido em poças de sangue e com uma cicatriz na face direita. Estava bem aqui para me levares contigo. 
May Rose,  New Zealand, 1934

8 comentários:

  1. Isto fez-me chorar e lembrar-me da dor que a morte nos causa. Lindo, mesmo lindo, princesa.

    ResponderEliminar
  2. Ah :o parece que estava a sentir tudo e a passar por isto :o está fantástico !

    ResponderEliminar
  3. está tão lindo, tão profundo. foi daqueles textos que se gosta e sente tanto que começamos a imaginá-lo numa cena... perfeito :)

    ResponderEliminar
  4. "Não sabia mais nenhum nome a não ser o teu e no entanto isso não te fez acordar porque do outro lado a vida é sempre mais apelativa." e para além desta, podia citar todo o texto, que quase me tirou a respiração, sabes? escreves tão bem, génio da escrita

    ResponderEliminar

Para a Rosarinho:

Marias há muitas © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.