segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Hoje escrevo-te. Não interiorizei frases moralistas, apenas fiquei retida no imediato detestando a ideia de saber o que te dizer. Há ainda em cada toque uma simbologia que me leva a ti, insensato coração. Prometi a mim mesma nunca mais te pronunciar como um ser vivo mas é inevitável, vives-me tão incessantemente e de tão demónio que és, incomodas-me. Estes dias têm aparecido de uma forma tão mais suave, já não sabia como era respirar de alivio por coisa nenhuma. Tenho sorrido mais e chorado menos. Ainda assim, em toda a noite mais escura e sombria, em todo o silêncio mais profundo, sinto-me rendida a pensamentos audazes aterradores, instintivamente rogo por um acto de sobrevivência inesperado. Mas misteriosamente as noites têm passado depressa e toda essa forma irrelevante de me consumir nem tempo tem para me contar uma história, e assim vou-me safando para a outra noite. Sucessivamente tenho andado nisto, é a minha rotina desafiadora e enquanto não me concentrar em outra, fico assim. Num pasmo muscular obscuro. 

11 comentários:

  1. és encantadora com as palavras. tem boas noites. <3

    ResponderEliminar
  2. texto encantador, tens um talento inato mesmo :) tal como dizeste, acho que é mesmo nos momentos em que estamos sozinhos, nos momentos de silêncio e escuridão que os pensamentos são mais cruéis :)

    ResponderEliminar
  3. adorei o teu blog e os teus textos, escreves muito bem. estou a seguir :)

    ResponderEliminar
  4. hei-de conseguir, um dia. obrigada <3

    ResponderEliminar
  5. desejo-te o mesmo. felicidade acima de tudo (:

    ResponderEliminar

Para a Rosarinho:

Marias há muitas © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.